Atenção a idosos moradores em condomínios

A atenção a idosos moradores em condomínios deve, nos dias de hoje, ser uma preocupação maior de síndicos e administradores. Em bairros como Icaraí e Ingá, em Niterói, onde é grande a população de maiores de 65 anos, os prédios devem estar não somente adaptados com rampas e elevadores de acesso a portarias, e com pisos antiderrapantes, além de porteiros e funcionários treinados para sempre oferecer ajuda principalmente a esses moradores idosos.

Tal preocupação não se trata apenas de oferecer maior comodidade e conforto aos moradores dessa faixa etária, mas também com o impacto que a não observação daqueles cuidados pode acarretar em ações de responsabilidade civil contra o síndico e o condomínio por conta de um acidente.

Apesar de hoje a quantidade de idosos residentes em um condomínio não ser relevante, sua administração deve lembrar que, com o passar do tempo, com o aumento da expectativa de vida do brasileiro, esse quadro poderá se inverter.

Assim como antes ofereciam áreas de lazer completa, espaços de ginástica e de cozinha gourmet, hoje novos empreendimentos já começaram a se preocupar com a atenção e o cuidado com os idosos. A legislação inclusive cria exigências de acessibilidade.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 17,3% dos idosos apresentam limitações funcionais para realizar as Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD), que são tarefas como fazer compras, administrar as finanças, tomar remédios, utilizar meios de transporte, usar o telefone e realizar trabalhos domésticos. E essa proporção aumenta para 39,2% entre aqueles acima de 75 anos.

Os condomínios situados em prédios mais antigos devem procurar se adaptar a essa nova exigência. Em primeiro lugar, deve ser dada orientação adequada aos funcionários para que saibam lidar de forma diferenciada com essas pessoas, de modo a facilitar-lhes pequenas tarefas do dia a dia, como carregar uma sacola de compras, abrir a porta do elevador etc.

Outras dicas para atender aos moradores idosos são:

  • Construir rampas para oferecer alternativa de acesso à escadas. Essas rampas devem obedecer a NBR 9050 quanto à inclinação máxima;
  • Colocar piso antiderrapante no hall e nos corredores para evitar quedas; 
  • Instalar corrimãos em ambos os lados de escadarias; 
  • Nas piscinas instalar escada de alvenaria, em vez dos degraus de inox para permitir entrar na água de forma mais segura; 
  • O condomínio deve instalar elevadores sempre que não conseguir que suas rampas sigam a NBR 9050; 
  • Adaptação de banheiros de áreas comuns com a colocação de barras de apoio; 
  • Adaptação de portas seguindo a NBR 9050, para que permitam a passagem de uma cadeira de rodas; 
  • Manter na portaria contato de algum familiar do idoso, que possa ser rapidamente acionado no caso de alguma emergência.

Notícias Relacionadas:

Conteúdo: Nota Bene Editora | Designed by HospedaNit.